Dia Mundial do Câncer

O Dia Mundial do Câncer, 04 de fevereiro, é uma data memorativa iniciada pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) em parceria com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no intuito de aumentar a conscientização e prevenção sobre o diagnóstico e tratamento de diferentes manifestações da doença, em países do mundo inteiro (INCA, 2021a). Há 21 anos, desde a assinatura da Carta de Paris e a consequente inauguração desse memorando, o Dia Mundial do Câncer influenciou governos, familiares e indivíduos que lutam contra a doença, prevenindo milhões de mortes a cada ano (INCA, 2021a). 

Esse dia nos faz pensar sobre a importância da prevenção e do autocuidado relacionado ao câncer. Visitas regulares a médicos de família e clínicos gerais, bem como o acompanhamento reforçado em especialidades clínicas como ginecologia e urologia (sobretudo para indivíduos maiores de 40 anos) podem prevenir sérios riscos relacionados a avanços insidiosos de tumores (INCA, 2021b). Lembramos que, no Brasil, o câncer é a segunda maior causa de morte em população adulta, desde o ano de 2003 (Bard & Cano, 2018). Dentre os tipos de tumores mais prevalentes, o câncer de próstata figura entre o principal tipo de câncer na população masculina (quase 30% dos casos totais), enquanto o câncer de mama é a principal causa de tratamento oncológico para as mulheres (também em torno de 30% dos novos quadros) (INCA, 2021b). 

No que diz respeito ao impacto psicológico em pessoas que vivenciam essa situação, estudos como os de Santana et al (2008) e Bard & Cano (2018) demonstram que pessoas que recebem tratamento oncológico tendem a desenvolver mais recorrentemente depressão, ansiedade, isolamento social, sentimentos de medo/incerteza e insatisfação da imagem corporal. Em contrapartida, Paula Júnior & Zanini (2012), demonstram que em situações limites como a do tratamento de um câncer, pessoas tendem a estabelecer redes de apoio mais duradouras e a qualificar e otimizar o tempo de suas vidas, procurando despender mais tempo com a família e gastar mais energia na realização de ações de bem-estar; potencialmente o aumento do número de comportamentos saudáveis que poderão perdurar, inclusive, após a cura da doença.

Assim, quando falamos em câncer, falamos de uma doença que possui uma miríade de tecnologias para o seu tratamento e, o mais importante, de um quadro de saúde que pode ser trabalhado de diferentes maneiras (Thalenberg, 2010). Não somente por meio dos cuidados com o corpo, o câncer é uma doença que pode ser combatida através da promoção de bem-estar, lazer e contato social.

No escopo da saúde mental relacionada ao contato social, o papel da rede de apoio psicossocial para pessoas que estejam em tratamentos oncológicos é fundamental. Por rede de apoio, entendemos qualquer rede social (i.e., família, amigos, colegas, parceiros afetivos, instituições, etc) que ajude o sujeito que vivencia o câncer a enfrentar o tratamento de forma engajada, menos sofrida, garantindo o seu acesso facilitado a locais especializados de saúde e acompanhamento hospitalar (Santana et al., 2008). Hoje em dia, percebemos mais concretamente as repercussões do apoio psicossocial sobre a saúde mental de indivíduos que enfrentam o câncer (Bard & Cano, 2018), onde existem melhores prognósticos para sujeitos que se sentem engajados com seu acompanhamento médico e que são apoiados por seus pares (Paula Júnior & Zanini, 2012). 

Além das interações sociais e do suporte familiar, algumas medidas de cuidado individual à saúde mental também podem ser úteis em situações de tratamentos oncológicos. A psicoterapia individual e a participação em grupos de operativos têm sido consideradas possibilidades muito efetivas para atenuar o sofrimento de pessoas que tratam o câncer e para ajudar suas famílias a se capacitarem como redes de suporte (Thalenberg, 2010).

Portanto, ao lembramos da data de 04 de fevereiro, não devemos notá-la como um dia de resguardo ou pesar em relação ao câncer, mas como um momento de reflexão sobre a vida, tal qual uma oportunidade para pensarmos em novos recomeços. Situações como o tratamento de um câncer não são fáceis e exigem muito dos sujeitos que experienciam a doença e de sua família, mas lembramos que o diagnóstico de câncer não é uma sentença de morte, muito menos um marco limitante na vida de um sujeito. Tratar uma doença ou prevenir uma evolução rápida de um quadro de saúde é uma oportunidade de aumentarmos nossa qualidade de vida e enfrentarmos e resolvermos precocemente problemas que, futuramente, poderiam se complexificar. 

O Dia Mundial do Câncer é um momento para exercitarmos a solidariedade e a autocompaixão, pensando na nossa saúde e na saúde daqueles que amamos.  Faça exames de rotina e conscientize pessoas ao seu redor sobre a prevenção ao câncer. Se você é uma pessoa que está em tratamento oncológico, saiba que existem muitas possibilidades de enfrentamento a essa doença e que, dia após dia, as tecnologias médicas na área têm aumentado. Ainda, esse é um momento de você poder compartilhar suas angústias e experiências com seus pares e em locais de promoção de saúde mental, como a psicoterapia e grupos terapêuticos. 

Abaixo, deixamos o contato de alguns locais na cidade de Porto Alegre que oferecem acompanhamento em saúde mental individual ou atendimento especializado para pessoas com câncer e seus familiares. Se sentir que precisa desse suporte, acesse-os! Se não for o caso, ajude a divulgá-los!

Clínica Horizontes – Psicoterapia

R. Profa. Cecília Corseuil 250, Tristeza ‖ Porto Alegre, RS

Fones:  (51) 30191799 / (51) 997667377https://clinicahorizontes.com.br/

AAPECAN – ASSOCIAÇÃO DE APOIO DE PESSOAS COM CÂNCER

Avenida Ceará, 1260 – São João‖ Porto Alegre – RS – Cep 90240-511

(51) 3014-9500 | (51) 98459-0787 – http://www.aapecan.com.br

FEMAMA – Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama
Rua Dr. Vale, 157, Floresta ‖ Porto Alegre / RS – CEP 90560-010
Fone: (51) 3094.0017 – https://www.femama.org.br/site/

Grupo de orientações para pacientes com câncer e familiares – Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA)
Nas segundas-feiras das 14h às 15h30 e nas quintas-feiras das 11h às 12h30
Sala 650 na zona 6
Enfermeiras Aline Tigre e Ana Paula Wunder
Informações: (51) 3359.8551
Somente para pacientes em tratamento quimioterápico no HCPA

Grupo de apoio psicológico e social aos pacientes em tratamento oncológico – Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA)
Nas terças-feiras das 11h30 às 12h30
Sala 650 na  zona 6
Psicóloga Mônica Echeverria
Assistente Social Iêda Nascimento
Informações: (51) 3359.8551

Instituto do Câncer Infantil 

Rua São Manoel, 850, Bairro Rio Branco ‖ Porto Alegre / RS – CEP: 90620-110
Fone: (51) 3331.8704 ‖ E-mail: ici@ici.onghttps://ici.ong/

Oncotrata – Oncologia Integrativa

Av. Plínio Brasil Milano, 80 – Auxiliadora ‖ Porto Alegre/RS –  CEP 90520-002

Fone: 51 3327-9400 ‖ https://oncotrata.com.br/

NDLCP – Núcleo de Atendimento e Estudos em Dor, Luto e Cuidados Paliativos

Av. Plínio Brasil Milano, 232 –  Bairro Higienópolis ‖ Porto Alegre/RS 

Fones: (51) 3022.3006 / (51) 3022.6009 ‖ https://www.intcc.com.br/nucleo/ndcp-nucleo-de-apoio-psicologico-a-dor-e-cuidados-paliativos/

Instituto Kaplan 

R. Olavo Bilac, 805 Bairro Santana ‖ Porto Alegre/RS CEP 90.040-310

Fones: (51) 3333-7933 | (51) 3012-7933 ‖ https://institutokaplan.com.br/

Liga Feminina de Combate ao Câncer

Rua Sarmento Leite, 187 – Centro ‖ Porto Alegre/RS – CEP 90050-170

Fone: (51) 3224-6422 (à tarde) ‖ https://www.ligafemininars.org.br/

*Texto por Willian Krüger

REFERÊNCIAS

Bard, Barbara & Cano, Débora. (2018). O papel da rede social de apoio no tratamento de adultos com câncer. Mudanças – Psicologia da Saúde, 26(1), 23-33. 

Instituto Nacional do Câncer – INCA. (2021). Dia Mundial do Câncer. Retirado de: https://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer

Instituto Nacional do Câncer – INCA. (2021). Estatísticas de Câncer. Retirado de: https://www.inca.gov.br/campanhas/dia-mundial-do-c%C3%A2ncer

Paula Júnior, Wanderley de, & Zanini, Daniela Sacramento. (2012). Pacientes em radioterapia: um estudo de coping. Psicologia, Saúde & Doenças13(2), 480-493. 

Santana, Jeanny Joana Rodrigues Alves de, Zanin, Carla Rodrigues, & Maniglia, José Victor. (2008). Pacientes com câncer: enfrentamento, rede social e apoio social. Paidéia (Ribeirão Preto)18(40), 371-384. 

Thalenberg, Luciana Geyer Kopelman. (2010). A rede de apoio no tratamento oncológico. Interface – Comunicação, Saúde, Educação14(34), 713-715.